Julho Amarelo: Redução de Hepatite em SC

O mês de Julho traz consigo não apenas o frio do inverno catarinense, mas também a conscientização sobre as hepatites virais, especialmente as tipos B e C, destacadas como Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST). De acordo com a Diretoria de Vigilância Epidemiológica (DIVE), os casos dessas doenças diminuíram significativamente em Santa Catarina nos últimos oito anos. A hepatite B registrou uma queda de 35%, passando de 1.622 casos em 2015 para 1.045 em 2023. Já a hepatite C apresentou uma redução de 32%, de 1.399 para 948 casos no mesmo período.

A Importância do Diagnóstico Precoce

Segundo a médica infectologista Regina Célia Santos Valim, gerente de Vigilância das ISTs da DIVE, os esforços contínuos no tratamento e na prevenção das hepatites podem explicar parte dessa redução. No entanto, ela alerta para a possibilidade de subnotificação, reforçando a necessidade de testagem regular para um diagnóstico precoce e tratamento eficaz.

“A testagem para hepatites B e C está disponível em todas as Unidades Básicas de Saúde (UBS) em Santa Catarina. É crucial que todos realizem o teste para saber se são portadores dessas doenças e, se positivo, iniciar o tratamento o mais rápido possível”, enfatiza a médica.

Julho Amarelo: Prevenção e Tratamento

Além da testagem, a vacinação é essencial na prevenção da hepatite B, oferecida gratuitamente na rede pública de saúde. Para a hepatite C, embora não haja vacina disponível, os avanços nos tratamentos garantem altas taxas de cura, superiores a 95%. A conscientização sobre o compartilhamento de objetos pessoais e o uso de preservativos durante relações sexuais também são medidas importantes na prevenção dessas infecções.

Impacto Global das Hepatites

Globalmente, as hepatites virais são responsáveis por aproximadamente 1,4 milhão de mortes anualmente, incluindo casos de infecção aguda, câncer hepático e cirrose relacionada à doença. A taxa de mortalidade da hepatite C é comparável à do HIV e da tuberculose, destacando a gravidade e a importância das políticas públicas de saúde voltadas para o combate e tratamento dessas doenças.

Tratamentos Disponíveis

Atualmente, o tratamento da hepatite B visa controlar a doença e prevenir complicações como cirrose e câncer hepático. Já para a hepatite C, os antivirais de ação direta (DAA) revolucionaram o cenário ao oferecerem altas taxas de cura em períodos relativamente curtos de tratamento, amplamente disponíveis pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Para mais informações sobre prevenção, diagnóstico e tratamento das hepatites virais, consulte seu médico ou visite uma UBS próxima.